ENTREVISTA

ATERRISSE DE PÉ!

O MÉDICO FEDERAL DA FFVL, JEAN-FRANÇOIS CLAPÉ REPETE A QUEM QUISER
OUVIR: "ATERRISSE DE PÉ!". IDÉIA ENGRAÇADA!

Aterrizar de pé não é meio lógico?

É claro que não. Cada vez mais a gente vê pilotos pousando sobre as
nádegas após uma aproximação feita sentado, as vezes exagerando para o
"fun". Eles não percebem os riscos que correm. Já foram registradas 79
fraturas da coluna vertebral em 1994. O ser humano foi feito para ficar
de pé, e pode suportar choques terríveis se adotar uma posição adequada
(ver quadro no final). Uma fechada imediatamente antes de voltar ao
solo, uma chegada usando o pára-quedas reserva, podem gerar impactos
entre 8 e 10 m/s. É muito, mas os pára-quedistas militares, carregados
pesadamente mas bem calçados, conseguem fazer graças a uma posição
exaustivamente estudada e graças a pernas bem preparadas, aterrissagens
a mais de 8 m/s sem conseqüências. As escolas de parapente deveriam
ensinar a rolagem. Talvez você utilize apenas uma vez na sua vida de
parapentista, mas nesse dia você ficará muito feliz por ter aprendido!


A que conclusão se chegou com o estudo dos acidentes de 1995?

O ano nem bem terminou mas já dá para dizer que o número de acidentes
baixou ligeiramente. As causas foram melhor analisadas graças à criação
na FFVL de uma comissão de estudos para todos os acidentes graves. Eu
reforço os seguintes pontos: 1) Houve menos acidentes com iniciantes e
pilotos ocasionais usando equipamentos protótipo ou de competição: isso
significa que esses praticantes começam a entender a necessidade de voar
sob velames mais de acordo com seu nível. 2) Existe sempre piloto que
voa de tênis, as vezes de "chinelo": são esses que fazem 60% dos
entorses. 3) O capacete integral ainda não é adotado pela maioria:
atenção ao rosto. 4) Aconteceram menos acidentes solitários: a gente
começa a compreender portanto a utilidade de não ir voar sozinho.


Como um recém chegado deve abordar o vôo livre se ele quer diminuir ao
máximo os riscos inerentes?

É preciso que ele faça, na ordem: 1) Uma formação longa e constante (o
brevê de piloto não é um fim, mas um nível ... ainda modesto) 2) Uma boa
preparação física. 3) Se contentar por bastante tempo em voar em
condições aerológicas tranqüilas. 4) Voar com um equipamento muito
seguro, pelo maior tempo possível, e não mudar até que tenha explorado
todas as variedades de situações aerológicas. 5) Nunca voar sozinho. 6)
Usar sempre um capacete integral (fechado), para a proteção do seu rosto
e da sua vida. 7) Usar uma sellette que permita se mexer facilmente para
aterrizar. 8) Utilizar sempre botas com reforços, amortecimento e com
lateral suficientemente rígida para proteger os tornozelos. 9) E ainda
há o problema complexo da proteção dorsal.


Por que complexo?

Porque existem proteções cuja rigidez é um perigo. Muito rígidas elas
não absorvem a onda de choque e portanto é o meio das costas ou o
pescoço que quebram, ao invés das partes mais baixas. Ou seja, se é
relativamente fácil consertar as pernas, é um pouco mais difícil para a
bacia, quase impossível para a espinha, impossível para um hemorragia do
fígado ou de outro órgão... A proteção deve funcionar como um fusível.
Ou seja, amortecer e depois quebrar, dissipando a energia. Seria preciso
também que ela protegesse sob as nádegas, pois é aí que o choque é mais
perigoso. Uma proteção deve portanto ser macia e espessa. Eu entendo que
isso cria um problema de arraste e dificuldade de movimentação, mas é
preciso saber o que se quer. As proteções que usam espumas de diferentes
densidades, os air-bags, as proteções tipo backup vão no sentido
correto. Mas seria necessário formalizar tudo isso, procurar
especificações com um simulador de impacto como o que sugeriu o
aluno-engenheiro Lionel Vayr, de Chambery, para sua tese de biomecânica.


E o pára-quedas reserva?

Eu sou a favor, desde que a pessoa saiba usar. Senão, não serve para
nada. E mais ainda, é preciso verificar a dobragem e a instalação,
cuidar para que a alça não enrosque durante a decolagem. Para ser
lógico, seria necessário uma alça no centro, acessível com as duas mãos:
imagine uma colisão que cause um simples entorse do polegar ou do
pulso.


O medo do vazio, tem cura?

Técnicas de desensibilização psicológica existem. São baseadas em uma
progressiva aclimatação. Em todo caso, é preciso se "jogar na água". Mas
progressivamente. No início, em duplo para poder falar de sua angústia
ao monitor durante o vôo, e tomando o cuidado no começo de não se
afastar muito do relevo. Pouco a pouco a gente se habitua. Os
psicoterapeutas podem assim preparar qualquer um para enfrentar o vazio,
com técnicas de relaxamento e de criação de imagens mentais, o
"flooting", ou seja, a imersão propriamente dita.. Mas a apreensão do
vazio é uma coisa normal. Cada um sente mais ou menos.


Como diminuir a tensão sentida por muitos pilotos em condições
turbulentas?

Com uma asa de ponta em ar turbulento, somos levados. as vezes a ter
gestos um pouco nervosos. E com esses gestos se amplifica os movimentos
do velame... e portanto se voa cada vez mais tenso. É a serpente que
come a própria cauda. A famosa "sobrepilotagem". As soluções são
evidentes: evitar as condições muito turbulentas, evitar os velames
muito nervosos, acertar a regulagem da sellette, e muito menos evidente,
aprender a deixar a vela voar. Quando se ensina a pilotar planador, a
gente diz aos alunos: "pare de mexer no manche..."


Uma conclusão doutor?

A gente conhece o paradoxo do parapente. Simples na aparência, a gente
pode fazer vários vôos antes de experimentar uma situação difícil. Mas
estatisticamente a gente se encontra forçosamente um dia ou outro em
condições aerológicas difíceis. A gente se mete nessa situação por erro
de análise ou porque a gente admira os feitos de Bouilloux ou de
Bourquin por exemplo. E de repente o parapente fácil se torna muito
difícil. Porque em caso de fechada muito grande as coisas não são mais
progressivas e os gestos necessários não são mais os habituais. A gente
se vê de repente em uma situação angustiante e desconhecida, e é preciso
reagir rapidamente e com gestos precisos. Gestos que nem sempre foi
possível treinar antes! Então, é preciso ter a sorte de não estar muito
perto do relevo ou do chão. No fundo, tudo se transforma em um conflito
de interesses. De uma parte há a vontade dos pilotos de voar rápido e em
segurança. E de outra a necessidade que os profissionais têm de vender
rapidamente formação e equipamentos. Seria preciso poder gerir tudo isso
mais lentamente, manter os alunos muito mais tempo nas escolas ou nos
clubes, não deixá-los sozinhos na natureza, ainda tão pouco armados.
Muita gente se desencoraja a voar porque foi vendido uma ilusão de
facilidade e um equipamento de alta performance. Seria bom que todos
pudessem voar durante dois anos ou até mais com um velame de saída de
escola, depois com um intermediário calmo antes de passar para
parapentes de performance. Todos os anos a federação conta 10.000 novos
licenciados. Mas ela perde a metade no caminho. A gente quer ir muito
rápido. Calma!!


------------------------------------------------------------------------
A Aterrissagem dos pára-quedistas

Todos os músculos estão em alerta para mobilizar o máximo de tonicidade.
A posição é a seguinte: pernas fechadas, pés em posição normal (ou com
as pontas ligeiramente para baixo), joelhos fechados, ligeiramente
flexionados, tronco ligeiramente encurvado, cabeça flexionada para
frente, cotovelos fechados contra o corpo, mãos juntas no peito. Na hora
do impacto orienta-se a bacia para um lado, de modo que após os pés, as
nádegas e depois os ombros assegurem a rolagem. Os pára-quedistas
treinam saltando de uma cadeira e insistem na importância de ter as
pernas bem tonificadas e fechadas.


Texto: Pierre Pagani - Parapente Mag 43, jan. / fev. 96
Tradução: Eduardo Gianesi